Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/26490
Tipo: Artigo
Título: A lógica da ação conectiva: mídias digitais e a personalização do confronto político
Título em língua estrangeira: The logic of connective action: digital media and the personalization of contentious politics
Autor(es): Bennett, W. Lance
Segerberg, Alexandra
Tradutor(es): Motta, Filipe
Revisor(es): Reis, Daniel Silva
Data do documento: 2012
Está contido: Information, Communication & Society
Notas: Em respeito à legislação sobre direitos autorais, o acesso aos arquivos é restrito ao público interno da Assembleia Legislativa, por meio de login e senha.
Citação: BENNETT, W. Lance; SEGERBERG, Alexandra. The Logic of Connective Action - Digital Media and the Personalization of Contentious Politics. Information, Communication and Society, v.15, n. 5, 2012, p. 739-768.
Resumo: Da Primavera Árabe aos Indignados na Espanha, passando pelo Occuppy Wall Street nos Estados Unidos e além, protestos contínuos e de larga escala têm utilizado mídias digitais de um modo que ultrapassa o simples envio e recebimento de mensagens. Algumas dessas ações contêm relativamente poucos papeis desempenhados por organizações de ação coletiva tradicionais. Outras, envolvem organizações de advocacy estabelecidas em relações híbridas com outros tipos de organização, utilizando tecnologias que permitem um engajamento público personalizável. Ambos os modelos contrastam com a forma de ação mais organizacionalmente estruturada, marcada pela presença de lideranças intermediadoras e convencionalmente associada aos movimentos sociais e grupos de advocacy. Este artigo examina as dinâmicas organizacionais que emergem quando a comunicação se torna uma parte proeminente da estrutura desses fenômenos de ação. Argumentamos que a compreensão dessas variações em redes de ação de larga escala requer a distinção entre ao menos duas lógicas que podem estar em jogo: i) a lógica convencional da ação coletiva, associada a altos níveis de recursos organizacionais e à formação de identidades coletivas; e ii) a lógica menos convencional da ação conectiva, baseada no conteúdo personalizável, compartilhado por meio de redes sociais midiatizadas. No primeiro caso, a introdução de mídias digitais não altera as dinâmicas centrais da ação. No segundo, sim. Estruturando-se a partir dessas distinções, o artigo aponta três tipos ideais de redes de ação de larga escala que são proeminentes nas políticas de confronto contemporâneas.
Assunto: Comunicação
Mídia digital
URI: https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/26490
Idioma: Português (Brasil)
Aparece nas coleções:Produção acadêmica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
17. Transparência e ativismo digital - Bennett.pdf17. Transparência e ativismo digital - Bennett527,23 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.