Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/22513
Idioma: Português (Brasil)
Forma: Artigo
Título: Quem disse que mulher não gosta de política? Uma análise da representação feminina em uma década de Parlamento jovem brasileiro
Autor(es): Henrique, Ana Lúcia
Local: Belo Horizonte
Editora: Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
Data do documento: 2016
Citação: HENRIQUE, Ana Lúcia. Quem disse que mulher não gosta de política? Uma análise da representação feminina em uma década de Parlamento jovem brasileiro. Cadernos da Escola do Legislativo, Belo Horizonte, v.18, n.29, p.55-86, jan./jun. 2016.
Resumo: As mulheres correspondem a 52% do eleitorado brasileiro. No Congresso Nacional, a bancada feminina trazida pelas urnas em 2014 é de 10% (51/513) na Câmara dos Deputados e de 18% (5/27) no Senado Federal. As origens da sub-representação são anteriores ao pleito. Os partidos alegam que as mulheres não se interessam pela política e, por isso, não preenchem nem mesmo a cota mínima de 30% por sexo, nas listas de candidatos para eleições proporcionais. Nas dez edições do Parlamento Jovem Brasileiro (PJB), no entanto, as mulheres tiveram uma representação média de 48%, ou seja, bem próxima da paridade, sendo que em quatro delas a proporção de mulheres foi maior do que a dos homens. Nas mesas diretoras do PJB, entretanto, a participação média cai para 39% e em apenas três edições houve uma mulher presidente. O presente artigo analisa a representação feminina trazida pelas urnas para o Congresso Nacional desde a 50ª Legislatura – a última antes da introdução da cota legal – até a bancada eleita para a 55ª Legislatura e a compara com a representação das mulheres em uma década do programa anual de simulação de jornada parlamentar para estudantes secundaristas na Câmara dos Deputados (2004 a 2014). A análise mostra que, mais do que o desinteresse pela política, a baixa representatividade pode revelar problemas de acesso das mulheres às candidaturas, que no Brasil passam compulsoriamente pelo crivo partidário. Vencida à barreira do ingresso, o chamado “teto de vidro” continua presente na simulação e na vida real, em cujos cargos de decisão a presença dos homens é mais alta.
Resumo em outro idioma: Brazilian women are 52 percent of the electorate. In the Chamber of Deputies, in almost two decades of compulsory gender quotas, for the first time women reached 10 percent of the elected members in the 2014 polls. In ten years of Youth Parliament, however, the average representation of women is 48.5 percent. The mean falls to 38.6 percent in the Youth Parliament Board, though. This article analyses women’s representation in the Brazilian lower chamber of Congress from 1994 – last polls before the National Party Act included compulsory gender quotas – to 2014, when a woman was reelected President, and ten years of female representation in the Brazilian Youth Parliament, an educational program that simulates a legislative year in the Chamber of Deputies. The analysis shows that more than political disaffection, women´s absence in legislatures may reveal gender inequalities produced by traditional gate-keepers – like political parties, which control candidacies in Brazil, where independent candidates are banned by constitutional provision.
Assunto: Participação política - Brasil
Mulher - Participação política - Brasil
Parlamento Jovem - Brasil
Juventude – Educação política
URI: https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/22513
Aparece nas coleções:Cadernos da Escola do Legislativo, v. 18, n. 29, jan./jun. 2016

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Quem disse que a mulher.pdfQuem disse que mulher não gosta de política? Uma análise da representação feminina em uma década de Parlamento jovem brasileiro592,4 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.