Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/18558
Tipo: Livro
Título: História da Revolução Liberal de 1842
Autor(es): Marinho, José Antônio
Local: Belo Horizonte
Editora: Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
Data do documento: 2015
Série: Coleção Minas de História e Cultura; v. 1
Notas: Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, em vigor no Brasil desde 2009.
Produção: Diretoria de Comunicação Institucional
Foto da capa: detalhe da obra "Combate do Córrego das Calçadas"(2005) - Óleo sobre tela, de Célio Nunes.
Imagens internas da obra extraídas do livro "História do movimento político que no anno de 1842 teve lugar na Província de Minas Geraes", do mesmo autor, 1939.
A publicação apresenta encarte de mapa, "PLANTA" do Arraial de S'ta Luzia e suas imediações.
Publicado anteriormente com o títulos : Historia do movimento politico que no anno de 1842 teve lugar na Provincia de Minas Geraes, do cônego José Antônio Marinho, 2. ed., 1939; História do movimento político de 1842, ed. de 1977.
A obra é resultado do Programa Editorial de Obras de Valor Histórico e Cultural de Interesse de Minas Gerais e do Brasil da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
Citação: MARINHO,José Antônio.História da Revolução Liberal de 1842. Belo Horizonte:Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, 2015. 535 p.: il. - (Coleção Minas de História e Cultura; v. 1)
Resumo: Apanhado histórico sobre os vinte anos que antecederam o movimento liberal, analisando a situação política do Brasil em seus primeiros anos após a independência até os dias da revolução. Detalha o movimento revolucionário, reproduzindo ofícios, proclamações, circulares e cartas, documentos de grande valor histórico.
Sumário: Apresentação 13
Introdução 15
Prefácio da edição de 1939
Cônego José Antônio Marinho 27
Ao público 35
Notícia e advertência 39
PRIMEIRO LIVRO 41
Lance de olhos sobre o estado do País desde a época da independência até aquele ano 41
Independência, o partido colonizador, o Ministério Andrada, sua demissão, reunião da Constituinte, dissolução 41
Consequências da dissolução da Constituinte 50
Governo ditatorial da facção absolutista 52
Reunião das câmaras 54
A facção absolutista continua nos desacertos e na obstinação 55
Emperramento da facção absolutista. Esforços da oposição 56
Tentativas manifestas para o absolutismo – Consequências de tais tentativas 57
Novas provocações do partido absolutista – Manifestações do espírito liberal – Agressão dos portugueses contra os brasileiros 58
7 de abril de 1831
Generosidade do partido nacional – Maquinações da facção absolutista – O 30 de julho 62
Maquinações dos absolutistas – Reforma na Constituição 65
Desgosto do deputado Vasconcelos – Eleição do senador Feijó para regente do Império – O deputado Vasconcelos separa-se do partido moderado 67
O posição violenta ao governo de Feijó – O regresso – Feijó resigna o poder 70
Novo sistema político – Administração retrógrada – Inconsequências do partido que subiu ao poder em 19 de setembro 73
Ocorrências que precederam a maioridade do Sr. D. Pedro II 75
Adiamento das câmaras – Proclamação da maioridade – Organização do Gabinete de 23 de Julho 78
Oposição anárquica dos antimaioristas – As eleições – Retirada do Gabinete de 23 de Julho 79
Ministério de 23 de Março – Sua política – Decretação da Lei da Reforma Judiciária 82
Causas que agitaram o País em 1842 84
Relatório apresentado a S. M. o Imperador, pelo ministério, pedindo a dissolução da Câmara dos Deputados 88
Decreto dissolvendo a Câmara dos Deputados 92
Estado da Província de Minas até 1833 94
A Província de Minas depois de 1833 até 1840 99
Estado da Província de Minas depois da maioridade 107
Causas especiais, que na Província de Minas produziram o Movimento Político de 10 de Junho de 1842 112
10 de junho de 1842 – Proclamação do tenente-coronel José Feliciano Pinto Coelho da Cunha para presidente interino da Província 118
Ofício a José Feliciano Pinto Coelho da Cunha, convidando-o a tomar posse do cargo de presidente interino da Província 125
Resposta ao ofício supra 125
Carta dirigida pelo tenente-coronel José Feliciano a S. M. I. 127
Carta do padre Manuel Rodrigues da Costa 129
Manifesto 131
Proclamação 138
Circular às câmaras municipais, ordenando-lhes que façam publicar por editais, que nenhuma obediência se deve prestar às autoridades criadas em virtude da Lei das Reformas dos Códigos, etc 139
Providências adotadas pelo presidente interino 140
Aderência de diversos municípios ao Movimento de 10 de Junho 143
Ofício da Câmara Municipal de Lavras, declarando haver reconhecido o governo insurgente 148
Proclamação 149
Estado da Cidade de São João del-Rei 150
Marcha do presidente interino da Cidade de Barbacena sobre a de São João del-Rei 153
Proclamação do presidente interino em São João del-Rei – Entrada do mesmo na cidade 154
Proclamação aos habitantes de São João del-Rei 158
A Câmara Municipal da Vila de São José reconhece a autoridade do presidente interino – Marcha deste para a Vila de Queluz 159
Sucessos das Vilas de Baependi e Oliveira 162
Condições com que as forças insurgentes estacionadas no cerco de Baependi entraram na mesma vila 167
Marcha da coluna de Lavras para a Oliveira, e desta vila sobre a do Tamanduá 170
Intimação aos legalistas da Vila do Araxá 172
O Movimento de 10 de Junho é apoiado fortemente ao norte da Província; ataque e tomada da Vila do Caeté 173
Sucesso do Município do Sabará 177
A Vila do Curvelo reconhece a presidência interina 181
Município do Bonfim, e Arraial do Patafufo, hoje Pará 183
Estado do movimento nos primeiros dias do mês de julho 185
Volta do presidente interino para a Cidade de São João del-Rei. A Vila de Queluz é atacada pelas forças da legalidade 190
Ofício do comandante da coluna insurgente postada em Queluz dando parte do combate que ali tivera lugar no dia 4 de julho 193
Sucesso da estrada do Paraibuna 194
Ofício do comandante dos insurgentes ao comandante da coluna legalista 195
Dispersão da coluna da Pomba 199
Consequência da dispersão da coluna da Pomba e do revés do Paraibuna 201
Dispersão das colunas do Rio do Peixe, Santa Bárbara e Bom Jardim 203
Reunião da Assembleia Provincial insurgente 209
Mensagem dos deputados provinciais que se reuniram em São João del-Rei 210
Resposta à mensagem supra 213
Acordo tomado em São João del-Rei; os deputados Otoni e Marinho são mandados em comissão, um para Barbacena e outro para Baependi 213
Resultado das comissões de Otoni e Marinho, ataque da Fazenda do Ribei rão no dia 20 de julho, dissolução da coluna de Baependi 215
Con sequência da dissolução da coluna de Baependi, submissão da Vila de Lavras 219
Marcha da coluna de Barbacena para Queluz 220
Marcha da G. N. e do presidente interino de São João para Queluz 222
Sucessos da Comarca do Serro 223
Proclamação 227
Manifesto que fizeram os chefes da força insurgente estacionada no Pé do Morro 229
Reunião do exército insurgente – Ataque e tomada da Vila de Queluz 236
Hesitações dos insurgentes para atacarem a capital – Errado plano que seguiram – Vagarosa marcha do exército – Descontentamento deste – Separaram-se alguns influentes – Causas que a isso deram lugar 242
Marcha da G. N. da Vila do Curvelo para Sabará – Junção da mesma com o destacamento de Santa Luzia – Encontro das forças insurgentes com os legalistas no Capão – Ataque da Lagoa Santa 244
Acampamento do exército insurgente na Bocaina – Hesitações sobre o assalto da capital – Proposta para se deporem as armas – Junção das forças do Norte – Deliberação tomada para se procurar a Cidade do Sabará 251
Consequências da deliberação tomada para se conduzir o exército insurgente sobre o Sabará – Lembranças de alguns influentes para se nomear um vice-presidente – Marcha para Sabará – Ataque e tomada daquela cidade 258
Deliberações importantes tomadas na Cidade do Sabará – Enviatura do Dr. Melo Franco e coronel Souto-Maior para pedirem anistia ao general barão de Caxias – Procedimento honesto e generoso dos insurgentes na Cidade do Sabará – Marcha para o Arraial de Santa Luzia 264
Primeiro ofício 265
Segundo ofício 269
Santa Rita, 14 de agosto de 1842 270
Santa Luzia até a noite de 19 de agosto 271
Noite de 19 de agosto – O presidente interino separa-se do exército e se retira 283
Dia 20 de agosto até 10 horas da manhã 285
O dia 20 de agosto desde as 10 horas da manhã até as 3 da tarde 291
Dia 20 de agosto, das 3 às 6 horas da tarde 297
A nálise da ordem do dia 20 de agosto 302
SEGUNDO LIVRO 311
Advertência 311
Causas que agitaram a Província de São Paulo em 1842 312
17 de maio – Proclamação do coronel Rafael Tobias de Aguiar para presidente interino da Província de São Paulo 322
Providências dadas pelo governo-geral para sufocar o Movimento de 10 de Junho 327
Aviso de 23 de Junho 330
Proclamação de 19 de Junho 331
Ofício do chefe de polícia 345
Dispersão das forças insurgentes 347
Prisão e itinerário de Santa Luzia para o Ouro Preto, dos ex-deputados à Assembleia Geral dos Srs. Dias de Carvalho e Otoni, e de vários outros intitulados chefes rebeldes 351
Maneira por que foram tratados os presos políticos na cadeia do Ouro Preto 368
Maneira desleal por que foram tratados os que se apresentaram à legalidade 371
Os processos 376
Perseguição aos comprometidos 386
Os julgamentos 390
Sequestros, furtos e roubos 403
Furtos por meio de processos 421
Relação 423
Assassinatos 427
O recrutamento 432
Discurso do deputado Pereira e Sousa, pronunciado a 14 do corrente mês 438
Ingratidão da facção oligárquica para com muitos distintos cidadãos que prestaram relevantíssimos serviços durante a crise revolucionária 443
Ofício do Dr. Marçal dirigido à Câmara Municipal do Ouro Preto 449
Carta do comendador João Alves 453
Resposta dada por José Maximiano Batista Machado ao ministro do Império, que lhe comunicara achar-se ele exonerado de emprego de moço da imperial Câmara 455
Última s tentativas da oligarquia para firmar-se no poder 456
Breve notícia sobre a administração do general Andrea até o mês de março de 1844 462
Breve notícia a respeito de alguns fatos mais importantes, que por ocasião dos movimentos de 1842 tiveram lugar nas Províncias do Rio de Janeiro e São Paulo 467
Requerimento que à Assembleia Geral dirigiram os habitantes da Vila de Silveiras, da Província de São Paulo 472
Quesitos, respostas e sentença proferida na causa em que eram partes do Dr. Inácio Manuel Álvares de Azevedo e Francisco Lopes Batista 476
Segunda questão 477
Resposta do júri 477
Sentença 478
Discurso do senador Feijó, proferido perante o Senado no ato de apresentar a resposta que lhe fora ordenada dar sobre o processo organizado na Província de São Paulo pelo chefe de polícia, e no qual fora pronunciado aquele senador como cabeça de rebelião 481
Demissão do Gabinete de 20 de Janeiro de 1843 483
14 de março de 1844 489
Discurso do senador Alves Branco, pronunciado quando se discutia o parecer da comissão concedendo licença ao senador Feijó para se retirar para São Paulo 490
Exposição de motivos que precedeu ao Decreto de 14 de Março de 1844 502
Decreto nº 342, de 14 de março de 1844 504
Diferença de conduta dos partidos que se têm combatido no País desde a época da independência, ou crônica do partido constituído atualmente em uma oligarquia 505
A generosidade e a moderação 506
O respeito à Constituição e às leis 506
Sincero amor às instituições monárquicas constitucionais 507
Economia 508
O desinteresse 508
A probidade da gerência dos negócios públicos 509
Epílogo 515
Manifesto de Rafael Tobias de Aguiar 523
Notas 533
Assunto: Minas Gerais - História
Movimentos liberais (1842) - Minas Gerais
Tema(s): Cultura
Outros: 73105
URI: https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/18558
Número de classificação (CDU): 981.51
Idioma: Português (Brasil)
Aparece nas coleções:História (Memória)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
73105.pdf7,23 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.